Powered by Jasper Roberts - Blog

“Conseguimos negociar um dispositivo que cria uma situação híbrida”

L'Humanité entrevista Varoufakis

Varoufakis ao L’Humanité:

“A troika era um grupo de tecnocratas enviados à Grécia pelos nossos credores para aplicar um programa inaplicável, um programa que deveria agravar a crise. Por que fizeram isso? Desde logo porque na primeira fase da crise, após 2010, houve uma tentativa cínica de transferir as perdas dos bancos franceses e alemães para os contribuintes. Conseguiram ter sucesso nessa operação, ao mesmo tempo que fingiam que a crise grega estava arrumada. O preço, e é aqui que a troika na Grécia é sinónimo de regime colonial, foi uma crise humanitária em grande escala. A troika serviu para isso mesmo” (…) Ao contrário da troika, o Grupo de Bruxelas é o fruto do acordo que alcançámos a muito custo a 20 de fevereiro no Eurogrupo. Olhemos para o caminho percorrido: na sequência das eleições, as instâncias europeias intimavam-nos a aceitar as suas condições, sob pena de cortarem o financiamento aos bancos gregos. Conseguimos negociar um dispositivo que cria uma situação híbrida. Pomos em marcha o nosso programa de reformas e seremos julgados nesta base. A ambiguidade persiste, já que os nossos interlocutores acham que nos devem avaliar sobre uma parte do antigo programa. O Grupo de Bruxelas testemunha a nossa vontade de colocar o problema no coração da Europa. Não num posto avançado colonial. Não é o regime colonial que envia os seus tecnocratas, os seus funcionários à periferia. Estamos agora num processo europeu. É a nossa tentativa para recuperar a democracia. Não apenas para a Grécia, mas para toda a Europa.”

Comentários

comentários