Powered by Jasper Roberts - Blog

Grécia vai referendar ultimato dos credores

Juha Sipila (PM finlandês) e Alexis Tsipras na cimeira de 26 de junho. Foto União Europeia ©

Dia 5 de julho há referendo à proposta dos credores para introduzir mais austeridade em troca do prolongamento do garrote financeiro por cinco meses. Para o governo, este “ultimato” foi uma “tentativa de humilhação do povo grego”.


Depois de deixar o aviso na cimeira europeia, Alexis Tsipras reuniu o governo e fez uma comunicação ao país a explicar que a proposta dos credores, apresentada em forma de ultimato – ou de “oferta generosa“, nas palavras de Angela Merkel – para ser votada este sábado no Eurogrupo, é inaceitável para o governo de Atenas. Entre cortes nas pensões e salários e aumentos do IVA, as exigências dos credores contrariam muito do que os gregos aprovaram nas últimas eleições “e compromete a recuperação da sociedade e da economia grega”.

Sem esconder que a vontade do governo é a de chumbar a proposta, Tsipras apelou aos eleitores “a que tomem esta decisão de forma soberana e com o orgulho que nos ensinou a história da Grécia”. Qualquer que seja o resultado, o primeiro-ministro promete respeitá-lo, para além de garantir que a “Grécia é e continuará a ser uma parte indissolúvel da Europa”.

Varoufakis: “Deixem o povo decidir. (É engraçado como esta ideia soa radical!)”

O ministro das Finanças grego não perdeu tempo a reagir no twitter à comunicação de Alexis Tsipras ao país. Varoufakis diz que “a democracia merecia um impulso no que respeita aos assuntos europeus, Acabámos de o dar. Deixem o povo decidir. (É engraçado como esta ideia soa radical!)”

Comentários

comentários