Powered by Jasper Roberts - Blog

Tsipras congratula-se com “enorme vitória” nas urnas

Alexis Tsipras na noite eleitoral. Foto Left.gr

No seu discurso de vitória, Alexis Tsipras agradeceu o “claro mandato” dos eleitores para “acabar com o regime da corrupção e do nepotismo” na Grécia. “Seremos julgados pelos resultados daqui a quatro anos. Amanhã é o início”.


“Em circunstâncias difíceis, o povo grego deu-nos um claro mandato para nos desembaraçar-nos de tudo o que nos amarra ao passado e continuar a nossa bela luta, a luta que começámos há sete meses, para conseguirmos fazer da justiça uma priodidade, e que se defrontou com grandes poderes e grandes inimigos. Conseguimos levantar a bandeira grega não apenas nas nossas ruas, mas nas ruas de cada capital por toda a Europa. Hoje a Grécia e o seu povo são um símbolo, sinónimo de dignidade e revolução e é essa revolução que continuaremos juntos nos próximos quatro anos. Esse é o nosso mandato”, declarou Alexis Tsipras.

Em seguida agradeceu aos jovens e aos trabalhadores dos bairros pobres pela sua confiança. “O Syriza provou que é duro demais para ir abaixo”, afirmou, concluindo que debaixo do ataque de todos os quadrantes políticos ficou demonstrada a ligação do partido às classes trabalhadoras. Por fim, declarou que “a crise não vai acabar magicamente, mas vai acabar. Com trabalho duro e planeamento, com persistência e espírito de luta. Com medidas para fazer arrancar a economia e regressar ao crescimento, mas um crescimento com marca socialista para incluir a redistribuição da riqueza e a proteção dos mais fracos”.

Ao lado do líder do Syriza nesta noite eleitoral estava Pannos Kammenos, o seu parceiro de coligação dos Gregos Independentes. Tsipras deixou assim claro que “continuaremos juntos na batalha”.

O outro agradecimento foi para os Verdes Europeus, após Ska Keller, a eurodeputada que disputou com Tsipras a eleição para a presidência da Comissão Europeia, ter comparecido no último comício de campanha, ao lado de Pablo Iglesias, do Podemos, Pierre Laurent, do PCF e Partido da Esquerda Europeia e Gregor Gysi, do Die Linke.

Comentários

comentários